sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Vovó Zilah

Tive uma avó feita de açúcar, de sonho e de amor. Chamava-se Zilah.

Tinha cheiro de antigas gavetas perfumadas de jasmim, de chuva na terra molhada, de bolo de fubá saído do forno, de manhãs de primavera, de banho tomado, de água limpa, de calda de chocolate, de água de colônia.

Foi uma senhorinha que chegou quase aos noventa e oito anos.
Pequena, de cabelos lisos, muito brancos e brilhantes, sempre arrumados. O rosto com duas bochechas cor de rosa de enfeite sob os olhos espertos e ternos.

Um jeito de sorrir que derretia almas. E tinha também muito ataque de riso, que tentava disfarçar inutilmente com a mãozinha tapando a boca, de um jeito só dela.

Vestia-se sempre impecavelmente, com roupas sóbrias e elegantes de tecido delicado de um leve colorido. Nas pernas (que sempre foram lindas ), usava meias finas e nos pés sapatinhos baixos de couro combinando com a roupa. As unhas sempre feitas e esmaltadas com um leve rosa pálido.

Amava jogar buraco, amava ganhar no buraco. Amava trabalhos manuais. Amava acima de tudo nossa família. Minha avó, nossa grande e doce matriarca.

Tinha um jeito de dama antiga, tamanha a sua delicadeza, e ao mesmo tempo um jeito de menina arteira no brilho dos olhos.
Tinha uma lucidez invejável, discutia política. Culta, bem informada e atual.

Tinha o dom da palavra, do conselho, de ouvir, de acolher, de entender, sem julgar. Tinha o dom do amor. Também o dom da sabedoria, conquistada no alto de uma vida plena, onde criou bravamente cinco filhos. Uma doce guerreira da vida.

Essa avó foi muito mais que uma avó para mim desde que me conheço por gente. Foi minha amiga, confidente, companheira. Meu porto seguro, meu colo, meu exemplo, minha direção e meu orgulho.

Amava ouvir as histórias de sua vida. Amava estar ao lado daquela alma de luz, daquele bibelô de porcelana na aparência, mas que por dentro tinha a honra, a luta, a grandeza, o caráter, a fibra como habitantes.

Ser de poesia, de luz e de flocos de algodão.

Minha fada velhinha. Minha avó. Meu amor.

2 comentários:

mihalis-halkida disse...

Hey, if the selected page is very good
Michael from Greece

Jussara Gehrke disse...

lindo Ciça...

bela homenagem à sua avó.